Arquivo mensal: novembro 2010

Caninos e Felinas

Observar e viver as relações entre homens e mulheres no jogo do amor é algo que tenho achado muito divertido.
Homens e mulheres se esquecem que são seres da mesma espécie que se diferem apenas pelo gênero.
A relação entre os seres humanos de sexos diferentes é tão complicada que é muito comum ser comparada a uma das maiores rivalidades da natureza, a de cães e gatos.
Acho corretíssimo ver as mulheres serem chamadas de gatas pelos homens e eles serem chamados de cachorros por elas. Creio que nenhuma comparação foi tão inteligente, feliz e coerente quanto esta.
Os homens são cachorros e as mulheres são gatas. Alguém duvida?
Homens são dependentes como os cachorros e as mulheres independentes como gatas, tanto é que as mulheres se viram muito melhor quando estão sozinhas que os homens. Um cachorro abandonado aparenta muito mais decadência do que uma gata de rua.
As mulheres conseguem o que querem usando a sedução; os homens trocam favores. As gatas seduzem com seus olhos de serpente, vão chegando perto, como quem não quer nada, de mansinho acariciando as pernas de quem querem seduzir, miando apenas no momento em que sentem que são donas da situação. Os cachorros são bem diferentes… Trocam comida e carinho pelo serviço de guardião da casa, precisando ainda serem carinhosos e obedientes.
Apesar de ser podada por repressão, a natureza da mulher não é submissa. A submissão é a característica que torna marcante a diferença entre cães e gatas. Se tentar colocar uma coleira numa gata ou limitar o espaço dela, imediatamente sua vida se transformará num inferno, por que ela vai tentar te arranhar, vai fazer escândalo e vai estudar uma forma de fugir, mesmo que seja por uma pequena fresta; enquanto isso, os cachorros limitam seu próprio espaço demarcando território e ficam felizes quando vêem a coleira nas mãos de alguém, se contentando com uma voltinha na rua.
Cachorros são obedientes; gatas não. Se você mandar, o cachorro vai, vem, senta, deita, rola, busca bolinha e avança em quem o dono apontar; e as gatas desdenham qualquer ordem. Quando o celular de um homem toca e ele percebe que a gata já virou onça, já começa a pedir desculpas pelo que não vez e pensar na forma mais rápida de voltar para casa; e o homem jamais conseguirá impedir a entrada da mulher numa loja de sapatos, além de aumentar muito a possibilidade de divórcio se tentar tirá-la ou convencê-la a não comprar.
Gatas são ambiciosas, gostam de comer peixe tendo medo d’água e querem comer passarinhos sem saber voar; e os cães se contentam com a mesma ração todos os dias, sem nenhum problema.
As gatas são mais elegantes e flexíveis que os cães, desfilando ao caminhar de forma sutil e sempre caem em pé quando se desequilibram.
Além de terem sete vidas, as gatas vivem mais e suportam mais dor que os cães, gatas não ficam gritando como os cães “Cain, cain, cain!”.
A possibilidade de paz entre cães e gatas só existe se os cachorros entenderem alguns miados e as gatas alguns latidos. Como é impossível falarem a mesma língua, a compreensão é suficiente.
Os opostos realmente se atraem…
Apesar das brigas, os homens sempre vão gostar das gatas porque sabem como é gostoso dormir e acordar em contato com um corpo macio e delicado, adoram serem seduzidos e não trocam isso por nada. E as mulheres sempre vão gostar dos cachorros porque os eles são animais muito versáteis, que podem ser companheiros, carinhosos e são os únicos que dão as mordidas fortes que elas adoram.
Assim são nossas relações conjugais; os romances de Nelson Rodrigues são apenas exceções fugazes que passam por nossas vidas e vão embora.
As mulheres são de lua e os caninos sempre uivaram em reverência a ela.
Para fechar com chave de ouro, anexei uma música que conta uma estória de amor comum, como as histórias que todos nós vivemos: “Mulher de Fases” com os Raimundos, escrita por Digão e Rodolfo.
Até a próxima!
(Adriano Duarte)